Páginas

29 de maio de 2015

Gran Finale do Chile: Granizo Quercus

  Deixei para o final a cerveja que imaginava ser a melhor de todas as que eu trouxe do Chile. Guardei para degustar com os amigos da confraria, onde eu não aparecia desde maio. E a espera valeu a pena! Superou as expectativas.
  A Granizo é uma cervejaria Chilena localizada numa reserva de biosfera da UNESCO chamada La Campana-Peñuelas, e contribui com esse ambiente utilizando-se somente de energia solar em seus processos produtivos. Ela tem diversas medalhas com seus rótulos, sendo que a Quercus recebeu medalha de Prata no South Beer Cup de 2014 realizado em Belo Horizonte.
  Quercus é o nome em latim clássico para o Carvalho Inglês. Essa cerveja foi fermentada e maturada em barris de Carvalho Francês e Americano que foram utilizados anteriormente na produção de vinhos Syrah. "La barrica y el vino al servicio de la cerveza", segundo o rótulo.
  Na taça, uma coloração rubi, brilhante, muito bonita, com espuma clara e esparsa de média duração. Aromas de frutas negras, maltado suave e leve tosta, alcoólico, com muita complexidade. Amadeirado bem evidente no sabor, tanto na entrada como no retrogosto, lembrando muito mesmo um bom vinho (só que melhor!). Corpo licoroso, carbonatação suave, álcool presente e muito bem inserido. Realmente o melhor ficou para o final! Excelente cerveja!



Medalhões Recheados com Gorgonzola e Bacon



 Para harmonizar, uma boa combinação com o Medalhão Recheado com Gorgonzola e Bacon que fazemos no Armazém71. Ao ponto. Ao som de Johnny Cash.



Serviço:
  Granizo Quercus
  Wood-Aged Beer

  8,5% ABV
  Degustação 9 graus C 
  País: Chile
  Garrafa de 750ml
  R$ 39,00 (aproximado)

  Dê seu pulo: beba cerveja de verdade. Em boa companhia.

25 de maio de 2015

Emelisse Creme Brulee Stout

  O rótulo chamou minha atenção logo de cara: Creme Brulee Stout.  A Emelisse é uma cervejaria Holandesa que tem ótimos rótulos disponíveis aqui no Brasil. O site oficial não tem tradução para inglês ou qualquer outra língua. Eu já tinha ouvido falar dessa stout mas ainda não tinha tido a oportunidade de prová-la.
  A espera valeu a pena.
  Na taça, apresentou coloração negra e um creme bege e denso. 
  Aromas de chocolate ao leite, carmelo, baunilha, café com chantilly. E creme brulee, muito creme brulee, acredite. Os aromas adocicados aumentaram em intensidade e complexidade com o aumento da temperatura da cerveja.
  O sabor surpreende, pois tem uma entrada amarga e torrada, com café torrado, depois baunilha, açúcar queimado e doce de leite. Final amargo e álcool muito bem colocado, com corpo muito sedoso. Também se tornou mais complexo com o aumento da temperatura, porém reforçando as notas amargas e tostadas.
  Uma excelente Stout.



Serviço:
  Emelisse Creme Brulee Stout
  Sweet Stout

  8,0% ABV
  Degustação 9 graus C  País: Holanda
  Garrafa de 330ml
  R$ 17,50
 Para harmonizar, lógico, nada melhor que um Creme Brulee! O meu foi da Fada Formiga, e ao som de Brown Sugar, dos Stones.


  Dê seu pulo: beba cerveja de verdade. Em boa companhia.

20 de maio de 2015

Tiro triplo: Innis & Gunn

  Quem trabalha com produção de cerveja ou algum outro processo de transformação sabe muito bem que às vezes um grande acidente acaba por se transformar numa grande descoberta. É dessa forma que se descrevem os cervejeiros da escocesa Innis&Gunn: procurados em 2002 por uma destilaria de whisky para tentar adicionar o caráter maltado da cerveja aos barris de whisky, eles criaram uma receita que ficou maturando nos barris. Depois de 30 dias, a cerveja foi retirada e o whisky colocado ali; o whisky adquiriu qualidades diferentes por conta da madeira em que ficou a cerveja. Mas pasmem! quem provou a cerveja foram os trabalhadores da destilaria! para então avisar a cervejaria que o resultado ficara ótimo.
  Desde então, a Innis&Gunn desenvolveu receitas e novos processos para sua linha de cervejas todas envelhecidas em madeiras. Eu provei 3 delas.

 1. Toasted Oak IPA:
 Maturada por 41 dias em Carvalho Americano de baixa tosta, com um processo patenteado pela cervejaria em que a cerveja é bombeada num grande tonel com lascas 
da madeira e grandes coadores, semelhante a uma grande máquina de coar café.
  No copo mostrou uma cor dourada, brilhante, com espuma de fácil dissolução.
  Cítrico bem destacado no aroma, com maracujá e carambola. Notas de malte e biscoito ao fundo, com notas de carvalho e tosta (propostas pelo rótulo) bem, bem sutis. O amadeirado no aroma apareceu bem no final, quando a cerveja já estava numa temperatura acima da indicada para o consumo, porém bem destacado e evidente.
  Sabor acompanhou os aromas, destacando os cítricos, com notas maltadas de casca de pão e biscoito. Amargor bem leve, ao final da deglutição, com final cítrico, agridoce e picante. 
  Muito mais para uma IPA que para uma Wood Aged, por todos os sentidos. Uma IPA que propõe o amadeirado (e tostado) no rótulo mas entrega mais cítricos que madeira.



 Serviço:
  Innis & Gunn Toasted Oak IPA
  Wood Aged Beer
  5,6% ABV
  País: Escócia
  Garrafa de 330ml
  R$ 18,50


 2. Original:
  Maturada por 77 dias em barris de Bourbon. Recebeu medalha de ouro no Monde Selecion Awards de 2012, um prêmio anual promovido pelo International Institute for Quality Selections, de Bruxelas, para alimentos e bebidas.
  A melhor das três em todos os quesitos. Não; não abandone o post agora só por isso.
  Coloração dourada, com espuma branca e esparsa com rápida dissolução.
  Nos aromas as surpresas se apresentaram: rum, madeira, cachaça, whisky, tostas e notas de álcool bem sobressalentes. Notas maltadas, biscoito, casca de pão. Amadeirado crescendo à medida que a temperatura aumentava.
  Sabor de malte, whisky e madeira bem evidentes. Corpo leve, carbonatação bem suave e final alcoólico, sem amargor ou dulçor.
  Retrogosto suave e refrescante, convidando a um próximo gole.
  Reforçando: a melhor das três.



Serviço:
  Innis & Gunn Original
  Wood Aged Beer
  6,6% ABV
  País: Escócia
  Garrafa de 330ml
  R$ 18,50


 3. Rum Finish:
  Maturada por 57 dias em barris de Rum Demerara (produzido na Guiana).
  Esta apresentou uma coloração mais acobreada que as demais, mais bonita, com brilho transparente. Formou mais espuma que as outras, mas com dissolução rápida como as anteriores.
  Destacados aromas de álcool, rum e madeira. Frutas secas, xarope, tosta e malte. Calor do álcool, mesmo com o médio volume, se fez sentir no perfume.
  Sabor de rum sobressalente, seguindo a proposta do rótulo, acompanhado de malte, especiarias, leve dulçor. Retrogosto doce (leve) com rum, licor e madeira. Aftertaste suave, sem amargor e com dulçor bem leve permanecendo.




Serviço:
  Innis & Gunn Rum Finish
  Wood Aged Beer
  6,8% ABV
  País: Escócia
  Garrafa de 330ml
  R$ 18,50


 Para harmonizar, qualquer uma das três com uma costelinha de porco levemente apimentada, ao som de Carlos Santana.

Dê seu pulo: beba cerveja de verdade. Em boa companhia.


14 de maio de 2015

Branca de Brett

  Uma cerveja diferente. 
  Trata-se de um lançamento da Cervejaria Serra de Três Pontas, de São Paulo.
  É uma cerveja de trigo na qual foi utilizada a levedura Brettanomyces Trois, um fermento selvagem que é mais utilizado em cervejas belgas de fermentação espontânea, como Lambics e Gueuzes. A "Brett" é até vista como contaminante para alguns estilos de cerveja, e sua utilização na linha de produção requer extremo cuidado e posterior sanitização.
  No rótulo da Branca, a "Brett" é descrita como  "um fermento selvagem conhecido e temido por comer tudo que vê pela frente, assim como um zumbi esfomeado, ela nos traz aromas tropicais e cítricos".
  E esse zumbi está bem retratado também no rótulo: uma clássica e antiga capa de livro de contos com uma Branca de Neve zumbi emoldurada. Convidativo.
  Na taça mostrou uma colocação amarelo-palha, bem clara, com bastante turbidez. Espuma branca e de bolhas grandes, de boa formação e persistência e que foi marcando com rendas as bordas da taça após cada gole.
  Aromas cítricos sobressalentes, com notas de laranja, abacaxi e especiarias. A complexidade aromática aumentava à medida que a temperatura da cerveja subia.
  Na boca, o cítrico aparece bem evidente, lado-a-lado com uma acidez muito bem equilibrada. Final agridoce e retrogosto levemente amargo, convidando para um próximo gole.
  Para harmonizar, um bom chutney de abacaxi com carne de ave, e a música da trilha sonora de "Branca de Neve e o Caçador" por Florence and the Machine.
  

Serviço:
  Serra de Três Pontas Branca de Brett
  Wild Ale (American Wheat com Brettanomyces)
  5,5% ABV
  País: Brasil
  Garrafa de 330ml
  R$ 17,50

 Dê seu pulo: beba cerveja de verdade. Em boa companhia.

5 de maio de 2015

Snab Maelstrom

  Para combater a ansiedade por uma certa Barleywine que está maturando há alguns dias, resolvi hoje degustar uma breja no estilo e que estava há tempos guardada: Snab Maelstrom, da cervejaria Snab da Holanda.
  A Snab foi fundada em 1991 e tem como lema "promover a cultura cervejeira em geral e particularmente as cervejas alternativas", que são produzidas com insumos alternativos ou métodos inovadores, segundo seu site.
  Desde 2001, premiações nacionais e internacionais em todos os anos figuram no curriculum da cervejaria. Nenhuma delas para este rótulo (infos de anos anteriores não aparecem no site).
  A Maelstrom foi elaborada em 2001 para celebrar os 10 anos de existência da cervejaria, inspirando-se nas Barleywines americanas, com a utilização de lúpulos daquele país (Cascade, Amarillo e Simcoe) e dry-hopping.
  Já não tenho mais tantos amigos holandeses, por isso recorri ao google para as traduções. "Maelstrom" foi traduzido como turbilhão, o que aparece como sugestão no próprio rótulo com o barco viking num maremoto dentro do cérebro do bigodudo sentado ao divã (complexo, hein!). Para a frase que complementa o nome "Een Mans Roersel" não consegui tradução, apenas que "roer" significa "leme" e por isso concluí que o sufixo "sel" poderia significar ausência ou perda (se é que se trata mesmo de um sufixo, já que desse idioma não compreendo nada) - seria a "perda de rumo" de um homem. Se você conhecer um pouco de holandês, me ajude!
  Na taça mostrou uma cor acobreada muito bonita, com bastante resíduos de leveduras devido à sua segunda fermentação na garrafa; espuma bege, densa e de média dissolução.
  Apesar dos resíduos de fermento, os aromas mais evidentes são de caramelo, floral, frutas secas, cítrico e álcool. À medida que a temperatura da taça subia, mais evidentes ficavam os aromas de álcool e cítricos.
  Sabor caramelado na primeira impressão, acompanhando os aromas de frutas secas, com corpo licoroso e macio e final quente e seco, deixando um leve amargor no aftertaste mas ainda convidando para o próximo gole. Carbonatação ideal e álcool muito bem colocado. Os resíduos da fermentação em nada afetaram os sabores da cerveja.
  Para harmonizar? Arroz doce com uma leve cobertura de canela em pó gratinado no maçarico. E a sensacional "Old Love", by mr. Eric Clapton.






Serviço:
  Snab Maelstrom
  American Barleywine
  9,2% ABV
  País: Holanda
  Garrafa de 330ml
  R$ 22,50 (aproximado)

 Dê seu pulo: beba cerveja de verdade. Em boa companhia.